Sair

Insights

Pesquisar
Close this search box.

IRPJ e CSLL Não Incidem Sobre Crédito Presumido de ICMS

Leia a decisão do juiz que determina que IRPJ e CSLL não se apliquem ao crédito presumido de ICMS.
Entre para nossa lista e receba conteúdos exclusivos e com prioridade
Crédito Presumido

De acordo com a legislação brasileira, os incentivos fiscais concedidos pelos estados, como o crédito presumido, não podem ser incluídos na base de cálculo do Imposto sobre a Renda das Pessoas Jurídicas (IRPJ) e da Contribuição Social sobre o Lucro Líquido (CSLL) por meio de lei federal ordinária. O juiz Mauro Henrique Vieira, da 2ª Vara Federal de Uberaba (MG), emitiu uma liminar ordenando que a Receita Federal não cobrasse IRPJ e CSLL sobre o crédito presumido de ICMS de um fabricante de produtos de limpeza.

Descubra as vantagens do benefício fiscal que pode ser aplicado em todos os portos e aeroportos brasileiros.

No caso em questão, a empresa se beneficia de um incentivo fiscal pelo estado de Minas Gerais por meio do sistema de crédito presumido do ICMS. No entanto, a Receita Federal efetuou o pagamento dos dois tributos sobre esse benefício, que contribui para a receita da empresa, conhecida como subvenções para investimento.

Descontente com essa exigência, a empresa moveu um mandato de segurança argumentando que os tributos não deveriam incidir sobre a receita proveniente do incentivo. No mandato, a empresa destaca que o governo federal iniciou a exigência, neste ano, com base na Lei 14.789/2023, do pagamento do IRPJ e da CSLL sobre os créditos presumidos concedidos pelos estados.

Para a empresa, a cobrança é considerada inconstitucional e ilegal, fundamentada na permissão constitucional para os estados estabelecerem políticas fiscais para promover a atividade empresarial. Alega-se que a exigência de IRPJ e CSLL sobre créditos presumidos de ICMS viola o pacto federativo, conforme previsto no Tema 1.182 do Superior Tribunal de Justiça (STJ). 

Aproveite a oportunidade de reduzir significativamente seus custos fiscais com o Benefício de Alagoas, válido em todo o território nacional.

Ao analisar o mandado de segurança, o juiz Mauro Vieira observou que a questão em debate é amplamente discutida e tem sido objeto de decisões em julgamentos de todo o país, destacando que envolve um conflito de ordem federativa, resolução cuja definitiva cabe ao Supremo Tribunal Federal (STF).

O juiz considerou também “perfeitamente razoável” que os incentivos fiscais concedidos aos beneficiários das empresas possam ter algumas limitações econômicas, uma vez que não inviabilizam o próprio incentivo. Reconhecendo a jurisdição do STJ à inclusão do crédito presumido do ICMS na base de cálculo do IRPJ e da CSLL, o juiz destacou que a política fiscal é um instrumento legítimo utilizado pelos estados para exercer sua autonomia. 

Conclui-se que, em virtude do princípio federativo, os incentivos fiscais pelos estados sob a forma de crédito presumido de ICMS não podem ser tributados pela União, o que evidencia a plausibilidade do direito invocado pela empresa.

WhatsApp
Facebook
Twitter
LinkedIn
Entre em contato conosco

Descubra como possuimos uma solução completa para a Gestão Tributária da sua empresa!

Sobre Cícero Costa
Cícero Costa é advogado tributarista, professor de direito tributário, especialista em direito tributário pelo Instituto Brasileiro de Estudos Tributários, com MBA em negociação e tributação internacional e palestrante. Sua atuação prática em mais de 15 anos de experiência fizeram de Cícero um dos maiores especialistas em precatórios e importação em Alagoas.