fbpx

Suspensão Tributária como um Benefício Fiscal

Entenda a importância do benefício da Suspensão Tributária, entendendo melhor os créditos tributários e saiba como ele pode ser concedido.
Entre para nossa lista e receba conteúdos exclusivos e com prioridade

Sumário

Alguns são os benefício tributário que o Estado nos concede, e um deles é a Suspensão Tributária, a qual é composta por vários tipos de suspensão.

Dessa forma, sabemos que a garantia e o desenvolvimento econômico nacional é fomentado por todos nós, cidadãos, que estamos em busca de uma vida melhor e com redução de  gastos.

Mas infelizmente, a realidade hoje em dia é diferente do que desejamos, pois vivemos para trabalhar e pagar impostos diariamente.

O empenho que o Estado tem para satisfazer o crédito tributário por meio do fisco, encontra uma certa resistência por parte dos contribuintes, que  buscam pagar seus impostos de forma correta e justa.

Com base nessa perspectiva, começou a gerar algumas divergências entre Estado e contribuinte, pela alta cobrança tributária e burocracias exacerbadas.

Pensando por esse viés, o constituinte analisou por bem estabelecer alguns benefícios fiscais para melhorar o desenvolvimento econômico, que deveriam ser consequentemente pautados pelos legisladores infraconstitucionais.

De certa forma sabemos que temos esse dever, visto que é necessário para que o Estado capte recursos e desenvolva seus projetos e atividades de forma eficaz.

Assim sendo, é de máxima importância que o Estado cobre os tributos de forma adequada para não haver ilegalidades.

Na Idade Média os tributos eram cobrados de forma abusiva ou extorsiva, o que não pode mais ser feito hoje em dia, pois deve-se observar os princípios elencados na nossa Constituição Federal.

Um dos princípios está estabelecido no Código Tributário Nacional, que é o princípio da legalidade, o qual dispõe que a Fazenda Pública fica impossibilitada de exigir aos contribuintes o pagamento do crédito tributário quando não há previsão em lei.

Além dos princípios, o Governo estabelece alguns benefícios fiscais para incentivar e beneficiar os contribuintes. Alguns desses benefícios são: suspensão, diferimento, crédito presumido etc.

Nesse texto será analisado o benefício da Suspensão Tributária, o qual é importante estarmos por dentro para saber como pode ser concedido.

Créditos Tributários

Para uma melhor análise sobre o benefício da suspensão, é de extrema relevância comentar brevemente sobre os créditos tributários, pois são assuntos que estão interligados.

Conforme o artigo 3º do CTN, os créditos tributários são compreendidos como aqueles oriundos de tributos, prestações pecuniárias compulsórias lícitas.

“Art. 3° – Tributo é toda prestação pecuniária compulsória, em moeda ou cujo valor nela se possa exprimir, que não constitua sanção de ato ilícito, instituída em lei e cobrada mediante atividade administrativa plenamente vinculada.”

Desse modo, o nascimento do crédito tributário é realizado por ato administrativo, o qual está vinculado à autoridade administrativa do ente competente.

Alguns doutrinadores entendem que o crédito tributário nasce e extingue-se ao mesmo tempo que a obrigação tributária, ou seja, no momento do acontecimento do fato gerador.

Porém, o Supremo Tribunal Federal já se pronunciou sobre essas divergências, dispondo que o crédito tributário não nasce com a ocorrência do fato gerador, mas sim com o lançamento tributário.

Sendo ele constituído, o fisco (quem arrecada o tributo) poderá exigir pela via administrativa ou judicial o pagamento, ou caso não pague, a realização da inscrição em Dívida Ativa.

Suspensão tributária

Suspensão tributária, em sua base conceitual, significa paralisar por certo momento e depois retornar de onde parou.

A suspensão é uma causa passageira, a qual não influencia em sua recontagem, diferentemente da interrupção que quando acontece, a contagem se reinicia do zero.

Para melhor compreensão vamos pensar pelo pressuposto de que, depois que o crédito tributário é constituído por meio do seu lançamento haverá a incidência da obrigação tributária.

Porém, esse crédito tributário depois de devidamente constituído poderá ser suspenso. Consoante o artigo 151 do CTN:

Art. 151. Suspendem a exigibilidade do crédito tributário:
I – moratória;
II – o depósito do seu montante integral;
III – as reclamações e os recursos, nos termos das leis reguladoras do processo tributário administrativo;
IV – a concessão de medida liminar em mandado de segurança.
V – a concessão de medida liminar ou de tutela antecipada, em outras espécies de ação judicial;
VI – o parcelamento

Resumidamente significa dizer que poderá haver o lançamento, mas enquanto perdurar a suspensão, não terá a exigência de realizar o pagamento, nem a inscrição do contribuinte em dívida ativa e muito menos na execução.

Vale frisar que essa causa suspensiva atinge qualquer ato de cobrança, seja na via administrativa como na judicial.

Essa suspensão não dispensa a cumprir as obrigações acessórias, que são dependentes ou resultantes da obrigação principal.

São cinco as hipóteses de suspensão, e qualquer uma dessas espécies impedirá que  a Fazenda Pública faça cobrança do crédito tributário, mas o seu lançamento ocorrerá normalmente.

Causas de Suspensão do Crédito Tributário:

       I. Moratória

A moratória é um tipo de extensão do prazo para fazer o pagamento do tributo, ou seja, é uma postergação da data do vencimento para realizar o adimplemento dos débitos.

O Código Tribunal Nacional estabelece que se essa suspensão for no âmbito estadual e municipal, será concedida pela União.

Vale destacar que a moratória só será concedida em circunstâncias excepcionais, de caráter urgente, como calamidade pública e desastres naturais.

Em tese, a moratória só emerge nas situações em que os créditos já foram constituídos, visto que se ainda não foi realizado o lançamento do crédito, não haverá o pagamento.

Porém, a lei pode conceder de forma contrária, situação em que os créditos serão futuros, ou seja, quando o fato gerador já ocorreu.

Suspensão Tributária

I. Depósito de seu montante integral

Essa modalidade é também um tipo de suspensão do crédito tributário, e está relacionada quando já existe uma discussão na via administrativa ou judicial, relacionado ao crédito tributário.

Ou seja, é uma maneira de suspender a cobrança do crédito enquanto está sendo discutida a obrigação principal.

Essa modalidade é a única dentre as outras que suspende a incidência dos juros e multas.

Segundo súmula nº 112 do STJ, deverá haver o depósito em dinheiro do total que está sendo cobrado. Podendo o contribuinte pedir uma ação anulatória do crédito, realizando o depósito, se preferir, do valor exigido.

II. Reclamações e recursos Administrativos

Diferentemente do depósito de seu montante integral, aqui o processo administrativo já se iniciou.

Desde que com previsão em lei, as reclamações e o seu recurso, incidirão na suspensão da exigibilidade do crédito tributário , fazendo com que não seja promovido contra o contribuinte o ato de cobrança, até o final do processo.

Vale ressaltar que não é impossível em processo administrativo discutir sobre a inconstitucionalidade de uma lei, pois esse papel é prerrogativa do Poder Judiciário.

III. Concessão de medida liminar ou tutela antecipada

É uma espécie que suspende a exigibilidade do crédito tributário, porém, que não cessa a correção monetária.

Essa espécie é parecida com a reclamação administrativa, porém é feita na via judicial.

A expressão “liminar” é utilizada para decisões de cognição sumária, e é decorrente de ordem judicial.

Isso ocorre quando o juiz quando analisar a petição inicial, verificar que o fundamento do pedido é relevante e que pode ensejar desde logo a medida.

Isso é denominado de tutela antecipada, a qual tem caráter temporário porque pode ser revogada ou alterada a qualquer momento no decorrer do processo.

Desse modo, o fisco deverá realizar o lançamento do crédito tributário, para não haver a decadência e para apurar o valor correto que será cobrado.

É válido destacar, que o ingresso na via judicial não irá simplesmente suspender a exigibilidade, mas sim a concessão da medida liminar ou cautelar.

Se o contribuinte preferir que quando ingressar na via judicial o seu crédito seja suspenso, ele deverá realizar o depósito no montante integral.

No ingresso na via administrativa, diferentemente da judicial, já caracteriza a suspensão desde logo.

Suspensão Tributária

IV. Parcelamento

O parcelamento é um tipo de suspensão da exigibilidade do crédito tributário,  e acontece quando o contribuinte paga o tributo mas não de forma integral, realizando assim o seu parcelamento.

Esse instituto está disposto em lei e tem como finalidade recuperar o crédito vencido, que deixaram de realizar o pagamento.

O benefício que a lei concede aos contribuintes, gera um tipo de estímulo no pagamento dos débitos vencidos e descontando a multa e juros a longo prazo.

Importante mencionar que existem dois tipos de parcelamento, o ordinário, que é quando a dívida engloba todos os encargos legais, sem haver os descontos previstos em lei.

E o extraordinário que é o contrário, onde serão apresentados os descontos nos encargos legais, como juros de mora e multa de mora. Isso é uma forma de influenciar os contribuintes a regularizar sua situação.

Ademais, no artigo 155-A do CTN estabelece que o parcelamento será concedido quando preencher os requisitos em lei específica, a qual somente será editada pelo ente competente.

Essas hipóteses de suspensão estão estabelecidas em um rol taxativo, que significa dizer que só caberá a suspensão se somente o caso concreto se enquadrar nessas hipóteses, ou seja, não há margem para outras espécies.

Com essas hipóteses analisadas, percebe-se que a suspensão tributária é benéfica para o contribuinte, que é o sujeito passivo na relação e tem o dever de pagar o tributo.

Tendo em vista que irá impedir que tenha seu crédito cobrado pelo fisco na via administrativa, que seria avisos de cobrança ou na via judicial que caracteriza a execução fiscal.

Porém, a suspensão acarreta um benefício por parte do Fisco também, pois não atinge às obrigações acessórias, ou seja, o contribuinte continuará obrigado a cumprir com essa obrigação.

Como foi visto, a suspensão tributária é benéfica para ambas as partes da relação jurídica.

E ter o conhecimento básico para isso é de suma relevância.

Por isso, ter um bom planejamento tributário e um especialista na área é um diferencial no mercado.

E aí, gostou do artigo falando sobre o conceito e as modalidades de suspensão tributária?

Se restou alguma dúvida sobre o assunto, não se acanhe em perguntar, estaremos à disposição para sanar suas dúvidas.

Saiba mais sobre benefícios fiscais em nosso curso de “Introdução aos Benefícios Fiscais na Importação”.

Continue acompanhando nossos conteúdos aqui no site ou através do nosso Instagram @xpoents e através do nosso YouTube.

WhatsApp
Facebook
Twitter
LinkedIn

LEIA TAMBÉM:

Fale com um de nossos consultores

Descubra como possuimos uma solução completa para a Gestão Tributária da sua empresa!

Sobre Cícero Costa
Cícero Costa é advogado tributarista, professor de direito tributário, especialista em direito tributário pelo Instituto Brasileiro de Estudos Tributários, com MBA em negociação e tributação internacional e palestrante. Sua atuação prática em mais de 15 anos de experiência fizeram de Cícero um dos maiores especialistas em precatórios e importação em Alagoas.
Descubra como reduzir seus custos na importação de forma 100% segura
Acesse agora nosso e-book e obtenha uma vantagem competitiva em meio aos seus concorrentes.
E-book grátis