fbpx

77% das empresas de produtos para saúde têm enfrentado problemas na importação

Entre para nossa lista e receba conteúdos exclusivos e com prioridade

Originalmente publicado em:. 77% das empresas de produtos para saúde têm enfrentado problemas na importação – Paranashop

A Associação Brasileira de Importadores e Distribuidores de Produtos para Saúde – ABRAIDI – realizou o Webinar “Desafios e temas do setor de dispositivos médicos em 2022” e fez uma sondagem com os associados participantes em relação a possíveis problemas em relação a importação de produtos. 77% dos participantes da pesquisa afirmaram que estão tendo problemas, neste começo do ano.

“A operação padrão dos auditores da Receita Federal acendeu uma luz amarela e a possibilidade de greve nas próximas semanas trouxe bastante preocupação entre executivos e empresários do setor”, conta o diretor executivo da ABRAIDI, Bruno Bezerra. Cerca de 15% dos associados responderam à enquete e 37% disseram que já está ocorrendo atrasos na liberação, anuência ou inspeção de produtos para saúde importados.

Para 16%, os atrasos são na análise de documentos de importação, para outros 16% as demoras são de ordem logística, como descarregamento de carga e movimentação após liberação. E, segundo 14% dos pesquisados, a classificação das mercadorias de forma mais rígida ou com critérios diferentes tem postergado a liberação.

“Os associados dependem da reposição de estoques para atender os pacientes e a dependência das importações é bastante significativa”, lembra Bezerra. Segundo dados da Aliança Brasileira da Indústria Inovadora em Saúde – ABIIS – 56% dos dispositivos médicos utilizados no Brasil são importados.

Outro questionamento feito foi qual seria o impacto dos atuais atrasos que vêm ocorrendo neste início de 2022. Para 37%, existem problemas na reposição adequada do estoque e/ou desabastecimento, 28% estão sofrendo aumento no custo do frete, transporte e armazenamento e 12% têm tido problemas na entrega dos produtos aos clientes, perda de clientes ou de vendas por falta de produtos disponíveis.

“Quando uma carga fica parada em um porto ou aeroporto, as empresas do setor têm um acréscimo de um custo não previsto, que é o de armazenagem, bastante elevado. Num mercado onde as margens têm sido cada vez mais espremidas pela alta do dólar; o aumento dos custos logísticos; a queda em procedimentos eletivos ainda não retomados nos patamares de antes da pandemia; e distorções, como retenções de faturamento, glosas injustificadas e inadimplência praticada por hospitais e planos de saúde, o negócio começa a ficar inviável. A consequência é o desabastecimento de produtos que são vitais para todos nós”, alerta o diretor executivo da ABRAIDI.

WhatsApp
Facebook
Twitter
LinkedIn

LEIA TAMBÉM:

Importação de Fertilizantes sobe 81%
Importação de Fertilizantes Sobe 81% em Abril

Associação alega que foram compras de importação de fertilizantes feitas antes do conflito na Ucrânia. O Brasil importou em abril 3,24 milhões de toneladas de fertilizantes, o que representa um aumento de 81,5% sobre o volume registrado no mesmo mês de 2021.

Leia mais »
Fale com um de nossos consultores

Descubra como possuimos uma solução completa para a Gestão Tributária da sua empresa!

Sobre Cícero Costa
Cícero Costa é advogado tributarista, professor de direito tributário, especialista em direito tributário pelo Instituto Brasileiro de Estudos Tributários, com MBA em negociação e tributação internacional e palestrante. Sua atuação prática em mais de 15 anos de experiência fizeram de Cícero um dos maiores especialistas em precatórios e importação em Alagoas.
Descubra como reduzir seus custos na importação de forma 100% segura
Acesse agora nosso e-book e obtenha uma vantagem competitiva em meio aos seus concorrentes.
E-book grátis