fbpx

Brasil e EUA nunca fizeram tantos negócios. O que está por trás do recorde?

Entre para nossa lista e receba conteúdos exclusivos e com prioridade

Sumário

Originalmente publicado em: O que está por trás do recorde de negócios entre Brasil e EUA (gazetadopovo.com.br)

O comércio entre Brasil e Estados Unidos se recuperou rápido do baque de 2020, provocado pela pandemia da Covid-19. Dados do governo federal mostram que o Brasil nunca exportou tanto para os EUA quanto em 2021 (US$ 31,1 bilhões); tampouco importou tanto (US$ 39,4 bilhões). Como resultado, a corrente comercial entre os dois países – a soma das duas vias de comércio – foi recorde no ano passado, com movimentação total de US$ 70,5 bilhões.

O fluxo cresceu 43% na comparação com 2020 e 9,3% ante 2019, quando fora registrado o recorde anterior, de US$ 64,4 bi em exportações mais importações. Bastante impactado pela crise sanitária, o resultado da corrente comercial em 2020 foi de US$ 49,3 bilhões, com queda de 23,5% sobre o ano anterior.

No saldo da balança, o registro foi do maior déficit no comércio bilateral com Estados Unidos desde 2013 e o maior com qualquer parceiro comercial em 2021: importamos US$ 8,3 bilhões a mais do que exportamos, com pandemia e crise hídrica puxando as nossas compras.

Crises (sanitária e hídrica) aqueceram importações de produtos dos EUA

As importações brasileiras de produtos norte-americanos tiveram incremento de 41,3% na comparação com 2020, chegando ao recorde de US$ 39,4 bilhões, “fortemente determinado por questões conjunturais, em particular a crise hídrica e a pandemia”, destaca o vice-presidente executivo da Amcham Brasil, Abrão Neto.

Houve aumento expressivo em compras de gás natural para abastecer as termelétricas em meio à escassez hídrica vivenciada pelo Brasil e ampla aquisição de vacinas contra a Covid-19.

Em números, as importações de gás natural foram catapultadas, com alta de 2.330%, representando sozinhas US$ 3,3 bilhões no ano. A compra de vacinas norte-americanas pelo Brasil, por sua vez, alcançaram US$ 2,3 bilhões, com incremento de 406%.

De acordo com o Monitor do Comércio Brasil-EUA, publicado trimestralmente pela Amcham Brasil, outros produtos de destaque foram combustíveis de petróleo (US$ 7,4 bilhões), motores não elétricos (US$ 3 bilhões), aeronaves (US$ 1,2 bilhão), petróleo bruto (US$ 1 bilhão) e polímeros de etileno (US$ 1 bilhão).

Aumento da demanda garantiu recorde das exportações brasileiras para os EUA

As exportações brasileiras para os Estados Unidos tiveram alta de 45% na comparação com 2020, chegando a patamar inédito de US$ 31,1 bilhões.

De acordo com o Monitor do Comércio da Amcham Brasil, elas foram impulsionadas pelo aumento da demanda interna norte-americana e também pela alta dos preços em setores como siderúrgico e petróleo.

Têm destaque nas exportações brasileiras para os norte-americanos produtos semiacabados de ferro e aço (US$ 4,5 bilhões), petróleo bruto (US$ 3,1 bilhões), aeronaves (US$ 1,5 bilhão), ferro-gusa (US$ 1,2 bilhão), café não torrado (US$ 1,1 bilhão) e celulose (US$ 1,1 bilhão).

Controle da pandemia, retomada americana e preço explicam patamares

Na avaliação do sócio de Transações da consultoria Grant Thornton Brasil, Jeferson Gimenez, o crescimento relevante nos negócios entre Brasil e Estados Unidos em 2021 foi apoiado pelo tripé formado por controle da pandemia, retomada do crescimento e preço.

“Primeiro, o aspecto sanitário no mundo, por causa de vacinação e um começo de controle da pandemia, que trouxe para o Brasil o benefício da devolução da força de trabalho para atender demanda. Segundo ponto foi a retomada do crescimento do mundo e especificamente os Estados Unidos que, voltando a taxas maiores de crescimento, consequentemente importa mais”, diz Gimenez.
Aqui, segundo ele, “a política fiscal e econômica norte-americana [que injetou trilhões de dólares na economia] fez o mercado reaquecer e buscar matérias que a gente exporta”, disse. O movimento, cabe apontar, já vem sendo reduzido pelo Federal Reserve.

Completando a base de sustentação da recuperação observada no comércio bilateral Brasil-EUA em 2021, o analista pondera que “teve volume, mas teve também preço”, ao falar sobre a dobradinha desvalorização cambial e commodities.

Segundo Gimenez, a baixa oferta causada por dificuldades de mão de obra no mundo, com demanda caminhando acima da oferta, puxou o preço das commodities, significativas para o comércio exterior brasileiro; em paralelo, o real desvalorizado ante o dólar incentivou exportações. “Um mercado interno com lenta retomada de crescimento e um mercado externo já mais agitado faz o empresário focar lá fora”, afirma.

O que esperar de 2022 para o comércio entre Brasil e Estados Unidos

O cenário consolidado de 2021 mantém os Estados Unidos como segundo principal parceiro comercial do Brasil, com participação de 14,1% do total das nossas trocas externas. Perde para a China, que concentra 27,1% do comércio bilateral brasileiro.

Após a recuperação importante de 2020 para 2021, a expectativa da Amcham é de que a economia e o comércio internacional repitam desempenhos positivos neste ano, ainda que em ritmo menor. Para Abrão Neto, “o comércio bilateral manterá uma trajetória crescente, com aumento moderado das trocas”.

A análise se baseia nos indicadores já apontados por organismos como Banco Mundial, OCDE e FMI, que esperam crescimento mundial entre 4,1% e 4,9% em 2022; expansão de até 5,2% do PIB dos EUA e de 1,5% do Brasil.

De olho no que puxou os números em 2021, a Amcham frisa que os elementos mais relevantes a serem monitorados no espectro bilateral são os impactos econômicos decorrentes da pandemia, a manutenção da demanda brasileira por gás e vacinas, os preços internacionais dos principais produtos comercializados, além do patamar cambial e os reflexos comerciais de politicas públicas, como o plano de infraestrutura nos Estados Unidos.

Cabe ainda acompanhar importantes geradores de incerteza, entre os quais o risco de falhas nas cadeias de fornecimento e eventuais novas ondas do coronavírus.

WhatsApp
Facebook
Twitter
LinkedIn

LEIA TAMBÉM:

Importação de Fertilizantes sobe 81%
Importação de Fertilizantes Sobe 81% em Abril

Associação alega que foram compras de importação de fertilizantes feitas antes do conflito na Ucrânia. O Brasil importou em abril 3,24 milhões de toneladas de fertilizantes, o que representa um aumento de 81,5% sobre o volume registrado no mesmo mês de 2021.

Leia mais »
Fale com um de nossos consultores

Descubra como possuimos uma solução completa para a Gestão Tributária da sua empresa!

Sobre Cícero Costa
Cícero Costa é advogado tributarista, professor de direito tributário, especialista em direito tributário pelo Instituto Brasileiro de Estudos Tributários, com MBA em negociação e tributação internacional e palestrante. Sua atuação prática em mais de 15 anos de experiência fizeram de Cícero um dos maiores especialistas em precatórios e importação em Alagoas.
Descubra como reduzir seus custos na importação de forma 100% segura
Acesse agora nosso e-book e obtenha uma vantagem competitiva em meio aos seus concorrentes.
E-book grátis